Comportamento

 

Informações sobre o comportamento do Porquinho da Índia e sua linguagem.

 

 Os Porquinhos da Índia são animais muito sociáveis que gostam do contato com humanos e com outros porquinhos. Se acostumam bem ao contato com outros animais.

 

 Na natureza os porquinhos são presas, por isso tem o extinto de estar sempre alertas e tentam fugir ao se sentirem intimidados.

 

 São muito alegres, adoram correr e brincar.

 Gostam de viver em grupos. É uma forma de se sentirem seguros, pois ao dormir sabem que outro estará em alerta.

 Gostam de ter tocas, casinhas, túneis ou redes para dormirem onde se sentem mais seguros.

 

 Porquinhos criam uma hierarquia em grupos. Onde o maior e mais forte normalmente é o macho líder.

 Fêmeas costumam se dar bem. Quando dão cria em datas próximas costumam amamentar os filhotes, umas das outras.

 Machos, podem conviver bem desde que não haja fêmeas junto a eles, que sejam criados juntos desde pequenos ou que um seja bem mais jovem que o outro.

 

 Adoram dar e receber carinho das pessoas. Chegam a dormir no colo ao se sentirem seguros. Aprendem seus nomes e respondem ao serem chamados.   

 Sabem pedir comida e chamar os donos.

 Aprendem até a usar caixinha higiênica para fazer suas necessidades.

 

 Podem ser soltos pela casa pra brincar, desde que sejam supervisionados para não se ferirem ou roerem fios.

 Como seus dentes crescem durante toda vida, precisam ser desgastados.

 

 

 

 

 

LINGUAGEM DOS PORQUINHOS

 

Linguagem Corporal:

 

 Deitar com as pernas esticadas: indica que o porquinho está relaxado e sentindo-se seguro. Ele alonga o corpo pelo chão e descansa tranquilamente, mostrando que está confortável e à vontade.

 Tocar o nariz: Os porquinhos da índia se cumprimentam por tocar os narizes. Esse gesto indica amizade. Seu porquinho pode inclusive lhe cumprimentar assim.

 Pernas enrijecidas: Um porquinho da índia que se levanta com as pernas rígidas está preparado para exercer domínio sobre outros. Em geral, essa postura afasta qualquer avanço de outros porquinhos, mas se o intruso não recuar, pode acontecer uma luta.

 Fingir de morto: Porquinhos podem se fingir de mortos para enganar predadores, já que muitos predadores são atraídos pelo movimento de animais menores. Se seu porquinho ficar extremamente assustado, como quando abordado por estranhos ou por outros animais de estimação, ele pode rolar e deitar sem se mover, fingindo-se de morto. Se isso acontecer, tranquilize seu porquinho e tire-o da situação que o assusta. Lembre-se de que o stress é um fator que contribui para diversas doenças.

 

 Linguagem de Voz:

 

 Cuííí, cuííí, cuííí ! = Pode estar pedindo atenção, ou... É hora de comer! A maior felicidade de um dono é quando o porquinho fica completamente louco ao ouvir o barulho da porta da geladeira ou do saco da ração. Não se esqueça desse som, seu porquinho ficará muito contente!

 Cuíííííííííííí !!!!! = O guinchar agudo de um porquinho sinaliza medo, desespero, dor. Na natureza, podem estar indicando a outros porquinhos que um predador se aproxima.

 Purrr = Esse som similar a um ronronar de gatos indica prazer e segurança. Pode ser emitido por um macho fazendo a corte, uma mãe a seus filhotes ou por um porquinho-da-índia sendo acariciado. Os porquinhos adultos também podem usar esse som para tranquilizar uns aos outros.

 Drrr = Sinal de alerta a sons desconhecidos, altos ou desagradáveis.

 Resmungo, som baixo e curto = Diálogo, manter contato com os outros porquinhos. Bater os dentes = Quando dirigido a outros porquinhos, a outros animais intrusos e mesmo a alguns humanos, significa ameaça; em relação ao dono pode significar: "Põe-me na gaiola ou você pode ficar molhado!".

 Chorinho = Som normalmente emitido pela fêmea não receptiva às tentativas de corte do macho.

 

Trecho retirado do site www.panqueca.webnode.com.br.

 

 

Cecotrofia ou coprofagia:

 

 É um hábito normal e muito importante.  Os porquinhos costumam ingerir suas fezes. Essas fezes ingeridas são chamadas de cecotrofos.

 Os cecotrofos são fezes ricas em aminoácidos, vitaminas (em especial vitaminas do complexo B), cálcio, fósforo e microminerais.

 Os cecotrofos, ao serem excretados, voltam a ser ingeridos, sendo digeridos novamente. Mas desta vez com um maior aproveitamento do valor nutritivo deles.

 Filhotes podem ingerir cecotrofos de sua mãe. Alguns porquinhos ingerem cecotrofos de outros, especialmente quando estão doentes. Os cecotrofos são ótimos para alimentar um porquinho doente em uso de antibióticos, a fim de renovar a flora de bactérias benéficas no sistema digestivo.

 

Marcar Território

 

 Algumas vezes é possível ver um porquinho esfregando seus genitais no chão. Esse comportamento pode ser interpretado de forma errada como um problema de saúde associada à verminose ou a algum tipo de coceira.  Mas na verdade essa é uma forma de marcar seu território, pois assim deixam os locais onde se esfregam impregnados por seu odor.

 

 

 

Morder

 

 Os porquinhos raramente mordem as pessoas com agressividade. O que geralmente ocorre é que eles mordiscam como forma de interagir.

 Filhotes costumam mordiscar e morder mais como forma de explorar coisas novas e testar limites.

 Alguns motivos para porquinhos morderem são dor, medo, insegurança, desconforto.

 Podem morder de leve tentando se livrar de uma situação desconfortável como estarem sendo segurados de forma errada ou querendo ser soltos para fazer as necessidades.

 Crianças pequenas às vezes não tem idéia da força que usam para segurar o bichinho podendo apertar demais e acabarem sendo mordidas.

 

 Morder ao ser tocado em determinada parte do corpo pode ser sinal de dor no local.

 Se estiverem com problemas de pele que causem coceira podem morder acidentalmente tentado se coçar.

 Podem morder por engano ao estarem sendo alimentados e sentirem o cheiro do alimento na mão de quem os alimenta.

 

 

Mordendo as Grades

 

 

 Morder as grades da gaiola ou do cercado é um comportamento observado em alguns porquinhos. Quando ocorre esporadicamente, esse comportamento não causa problemas, mas ao se tornar muito freqüente, pode causar lesões na boca e fraturas nos dentes.

 

 O stress, a carência, a falta de espaço, a solidão, a falta de interação com outros porquinhos e o tédio podem ser ás causas desse comportamento.

 

 Para tentar solucionar o problema dê mais atenção ao porquinho. 

 Solte-o por mais tempo e mais freqüentemente para correr e brincar.

 Se ele vive sozinho, um novo companheiro pode ser ótimo para ele.

 Se a gaiola for pequena, providencie uma maior.

 Ofereça feno à vontade para mante-lo ocupado. 

 Coloque brinquedos e tocas novas no alojamento.  Mudanças no alojamento ajudam a diminuir o tédio porque os porquinhos gostam de explorar novidades.

 

 

Pipocar

 

 É um comportamento que demonstra alegria nos porquinhos. Eles correm, dão pulos, se sacodem e gritam. É um ótimo sinal de que os porquinhos se sentem seguros, felizes e relaxados. Alguns porquinhos pipocam ao receberem verduras, terem o substrato trocado ou serem soltos para brincar.

 

 

Rumba

 

 É a dança do acasalamento. O macho costuma cortejar a fêmea movimentando os quadris, simulando uma dança e emitindo um som característico, como uma vibração. Se a fêmea estiver no cio vai demonstrar interesse, mas o macho pode fazer a rumba mesmo para fêmeas que não estejam no cio.

 Algumas fêmeas também fazem a rumba para outras durante o cio ou para os machos. Machos também podem fazer a rumba para outros machos como uma forma de dominância e esse comportamento pode acabar gerando uma briga.

 

 

Dormir

 

 Porquinhos da índia não são animais noturnos como alguns outros roedores. E não dormem por longos períodos. Como são presas na natureza, estão sempre alertas aos perigos. Por isso dão apenas curtos cochilos tanto a noite quanto durante o dia. Algumas vezes descansam apenas com os olhos abertos. Só quando se sentem realmente seguros é que relaxam totalmente, esticam as pernas traseiras e fecham os olhos, dormindo por períodos um pouco mais longos.

Porquinhos que vivem em grupos, ou pelo menos em pares, costumam dormir melhor e por mais tempo porque enquanto um dorme, o outro fica em alerta. É normal que porquinhos mais velhos durmam ou descansem mais do que os mais novos.

 

 

Congelar

 

 Um comportamento pode parecer estranho para um animal que costuma ter o instinto de correr ou se esconder ao se assustar. O porquinho fica estático por um curto espaço de tempo. Isso costuma acontecer quando ouvem um barulho alto e desconhecido ou algo que os assuste. Fazem isso como uma forma de parecerem invisíveis. Esse comportamento pode ser seguido de uma vocalização de aviso de perigo.

 

 

Monta

 

 O comportamento de um porquinho montar sobre o outro nem sempre está ligado ao acasalamento. Pode acontecer entre animais do mesmo sexo como uma forma de demonstrar dominância. Isso também pode ocorrer entre fêmeas no cio quando não há um macho.

 É um comportamento normal, mas é importante observar se a monta entre machos não está gerando agressividade. Em alguns casos a monta pode se tornar muito freqüente gerando stress entre os porquinhos. Nesses casos é bom separá-los um pouco.

 

 

Correr e se esconder

 

 Porquinhos são tímidos e desconfiados por natureza. Fogem ao menos sinal de perigo. O porquinho fugir do contato humano é normal. Mesmo porquinhos tranqüilos e acostumados ao contato humano às vezes fogem e tentam se esconder.

 Eles levam algum tempo para se acostumar com as pessoas. Esse tempo depende da personalidade de cada um e da forma que foram criados. Depois de um tempo passam a distinguir as pessoas, reconhecer e confiar no dono. Chegam a chamar e pedir comida ao reconhecerem a voz de quem os alimenta.

 Tanto no alojamento quanto nos locais onde os porquinhos são soltos é importante colocar casinhas, túneis ou tocas pra que eles se sintam seguros tendo onde se esconderem. 

 

 

Roer a pelagem

 

 

 Roer a pelagem uns dos outros é um comportamento relativamente comum.

 Esse comportamento desagradável, principalmente para criadores e proprietarios de animais de pelos longos, pode ter várias causas: falta de nutrientes na dieta, stress, falta de espaço, dor, desconforto, tédio ou simplesmente uma compulsão.

 É um habito difícil de mudar. Para isso tente identificar qual dos animais que está roendo a pelagem, separe-o dos outros e verifique se a dieta é a ideal ou se existe alguma causa mais provável. Na maioria dos casos a causa não é descoberta e a única forma de evitar esse comportamento é separando definitivamente o porquinho problemático dos outros. As vezes, após algum tempo separado dos outros, o porquinho não volta a repetir esse comportamento e pode ser recolocado com outros.

 É muito comum filhotes roerem a pelagem das mães e isso acaba quando ocorre a desmama. O uso de produtos com sabor amargo, usados para evitar que cães e gatos lambam ferimentos ou comam fezes, costuma funcionar bem pra evita a mastigação da pelagem, mas como porquinhos se limpam lambendo-se, o uso desses produtos pode causar desconforto. Mesmo as pelagens mais roidas voltam a crescer após esse comportamento ser interrompido.

 

 

 

Coelhos e Porquinhos da Índia juntos

 

 

 Apesar de parecerem animais semelhantes, as duas espécies tem grandes diferenças e é preciso pensar nisso antes de juntar esses bichinhos.

 Algumas vezes as duas espécies convivem pacificamente, mas outras vezes não.

 Eles possuem ritmos de vida diferentes.  A linguagem corporal das duas espécies também é diferente o que pode gerar desentendimentos.  Coelhos costumam ser animais territoriais e podem se tornar agressivos para defenderem seu território.

 Alguns porquinhos desenvolvem um vicio de roer a pelagem dos coelhos.

Pesquisas mostram que coelhos não buscam a companhia dos porquinhos e nem vive-versa. Eles preferem a companhia da sua própria espécie.

 

O maior risco dessa convivência é para o porquinho da índia,  pois o coelho pode ser portador assintomático, ou seja, sem sintomas, de uma  bactéria chamada Bordertella Bronchiseptica que causa problemas respiratórios graves e costuma ser fatal para os porquinhos.  

 

 

 Como ensinar o Porquinho da Índia a usar a bandeja higiênica

 

 A maioria dos porquinhos aprende a usar a bandeja higiênica, mas isso não acontece da noite para o dia. É preciso tempo e paciência.

 

 Porquinhos costumam escolher um canto do alojamento como banheiro. Observe qual o canto escolhido e coloque a bandeja higiênica nesse local. 

 

 Coloque o substrato novo na bandeja. Recolha um pouco do substrato já sujo e coloque na bandeja também.

 

 Durante o treinamento, sempre que limpar a bandeja e colocar novo substrato, coloque também um pouco das fezes e do substrato sujo de urina. Assim o porquinho associa o local ao banheiro.

 

 Outra ótima forma de educar o porquinho é usar a bandeja higiênica com porta-feno acoplado. Ela atrai o porquinho para a bandeja e enquanto ele se alimenta, costuma defecar na bandeja. Com isso fixa o odor no local e se acostuma a usa-la.

 

 Aos poucos o porquinho vai aprendendo a usar a caixa e fazendo cada vez menos as necessidades fora do lugar. É uma ótima forma de manter o alojamento limpo e facilitar o trabalho no momento da limpeza. 

 

 

 

Dra. Anna Carolina G. Neves 

Médica Veterinária

   CRMV 13614

 

 

 

É PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DOS ARTIGOS E IMAGENS PRESENTES NESSE SITE  SEM AUTORIZAÇÃO EXPRESSA DO AUTOR.